As flores encomendadas

 

As flores encomendadas

As flores encomendadas


Um grande carro de luxo parou diante do pequeno escritório à entrada do cemitério e o chofer, uniformizado, dirigiu-se ao vigia.

- Você pode me acompanhar, por favor? É que minha patroa está doente e não pode andar. Quer ter a bondade de vir falar com ela? - Uma senhora de idade, cujos olhos fundos não podiam ocultar o profundo sofrimento, esperava no carro.

- Nestes últimos dois anos mandei-lhe cinco dólares por semana.
- Para as flores, lembrou o vigia.
- Justamente. Para que fossem colocadas na sepultura de meu filho.
- Vim aqui hoje - disse, um tanto consternada - porque os médicos me avisaram que tenho pouco tempo de vida. Então, quis vir até aqui para uma última visita e para lhe agradecer.

O funcionário teve um momento de hesitação, mas, depois, falou com delicadeza:

- Sabe, minha senhora, eu sempre lamentei que continuasse mandando o dinheiro para as flores.
- Como assim? Perguntou a senhora.
- É que... a senhora sabe... as flores duram tão pouco tempo, e afinal, aqui, ninguém as vê...
- O senhor sabe o que está dizendo? - Retrucou a senhora.
- Sei, sim minha senhora. Pertenço a uma associação de serviço social, cujos membros visitam os hospitais e os asilos. Lá, sim, é que as flores fazem muita falta. Os internados podem vê-las e apreciar seu perfume.

A senhora deixou-se ficar em silêncio por alguns segundos. Depois, sem dizer uma palavra, fez um sinal ao chofer para que partissem.
Apenas alguns meses depois, o vigia foi surpreendido por outra visita. Duplamente surpreendido porque, desta vez, era a própria senhora que vinha guiando o carro.

- Agora eu mesma levo as flores aos doentes, explicou-lhe, com um sorriso amável. O senhor tem razão. Os enfermos ficam radiantes e faz com que eu me sinta feliz. Os médicos não sabem a razão da minha cura, mas eu sei: é que eu reencontrei motivos para viver. Não esqueci meu filho, pelo contrário, dou as flores em seu nome, e isso me dá forças.


Faça sempre o que você quer para você!

Quando quiser presentear alguém, não importa quem - seja para o aniversário de seu amigo(a), o brinde que sua empresa dará ao cliente ou a lembrancinha de Natal àquela sua tia distante - pense sempre antes: EU GOSTARIA DE RECEBER ESTE PRESENTE?

Antes mesmo de imaginar se ela gostaria ou não do presente, é mais importante que, antes, você tenha a certeza de que o presente também te agrade.

PRESENTEAR as pessoas pode ser tão - ou mais - prazeroso do que GANHAR presentes. A sensação de felicidade ao você separar um pouco de tempo, dinheiro e energia é revigorante. Mas, faça com carinho: escolha algo que VOCÊ gostaria de ganhar e, depois, questione-se se é "a cara" do presenteado.

Assim, façamos relações sustentáveis - dando e recebendo - a tal da Lei da Reciprocidade. Ela existe! E sua avó já te avisava disso: É dando que se recebe!


Abraços de seu amigo Zeppa!


Sua avó já te avisava disso: É dando que se recebe!