O que é trabalhar em equipe?

417

As jangadas e suas lições.

O presidente de uma multinacional decidiu que ele e todo o grupo gerencial - um total de 12 pessoas - deveriam participar de um curso de sobrevivência de três dias, que tinha a forma de uma longa corrida de obstáculos. Um dos obstáculos era cruzar um rio violento e impetuoso. Dividiram os executivos em três grupos - A, B e C.

O grupo A recebeu quatro tambores de óleos vazios, duas grandes toras de madeira, uma pilha de tábuas, um grande rolo de corda grossa e dois remos. O grupo B recebeu dois tambores, uma tora e um rolo de barbante. Já o grupo C não recebeu recurso nenhum para cruzar o rio. Eles precisariam usar os recursos fornecidos pela natureza, caso conseguissem encontrar algum perto do rio ou na floresta próxima.

Não foi dada nenhuma instrução a mais. Simplesmente foi dito aos participantes que todos deveriam atravessar o rio dentro de quatro horas.

O grupo A não levou mais do que uma hora para construir uma maravilhosa jangada e atravessar com segurança e com os pés enxutos até o outro lado do rio.

O grupo B, ao contrário, levou quase duas horas para conseguir improvisar uma jangada e atravessar o rio. A equipe A,  já do outro lado do rio, não parava de rir no momento em que a jangada da equipe B virou com os gerentes financeiro, de computação, de produção e o de pessoal. Mas, enfim, o grupo B também chegou a tempo na outra margem.

O melhor ainda estava por vir. Nem mesmo o rugido das águas do rio era suficiente para sufocar o riso dos oito homens quando o grupo C tentou lutar contra as águas espumantes.
Os coitados agarraram-se a um emaranhado de galhos, que estavam se movendo rapidamente com a correnteza. Conseguiram atingir a margem uns 200 metros rio abaixo - cansados e arranhados pelos galhos.

- Então, como vocês se saíram? - perguntou o instrutor do treinamento.
- Nós vencemos! - Bradou o Grupo A - Atravessamos o rio em 45 minutos!
- Vocês devem ter entendido mal... Quem falou em competição? - repreendeu o instrutor - Vocês não foram solicitados a vencer às expensas dos outros. A tarefa era fazer com que os 12 executivos atravessassem o rio com segurança dentro de quatro horas.

Ultrapassando as fronteiras de sua equipe

Trabalhar em equipe requer muito mais do que olhar para o seu departamento. É muito mais do que pensar só nos integrantes de sua casa. Se algum desafio lhe for imposto, é necessário ampliar seus horizontes e ver como outros departamentos podem ajudar a resolver tal  problema - ou, numa situação pessoal, como outros integrantes de sua família ou moradores de seu prédio ou rua podem lhe "emprestar" energias, ideias e recursos.

Na história acima, nenhum dos executivos pensou em ajuda mútua nem sonhou em dividir os recursos com os demais grupos para atingirem uma meta comum. Não ocorreu a nenhum dos grupos coordenar os esforços e ajudar os outros. Todos caíram direto na armadilha.

A cultura dentro de uma empresa, família, time ou qualquer grupo de pessoas jamais pode ser a de "Nós aqui, eles ali". Substituamos por "nós todos juntos". Não é o departamento comercial que deve salvar a empresa, nem o de compras o responsável por gastar demais. É a empresa inteira que precisa se unir para chegar a uma sustentabilidade econômica.

Não é o apartamento 101 ou 402 que gasta mais água, nem o 303 ou 505 que suja mais a piscina. É o condomínio que deve se juntar por um bem-estar comum.

Então, antes de julgar "os outros", peço que você feche os olhos e reflita: "Como EU poderia ajudá-los a não mais ter esse tipo de atitude?"

#ficaadica

Abraços transformadores, beijos carregados de +Atitude.

Marcio Zeppelini

 

"Antes de julgar o erro do outro, reflita sobre
como VOCÊ poderia tê-lo ajudado a não errar"
Marcio Zeppelini