Para quem está direcionado o seu foco?

414

A Pedra da Felicidade

Um moço achou em seu caminho uma pedra que emitia um brilho diferente de todas as que ele já conhecera. Impressionado, decidiu levá-la para casa. A pedra pertencia a uma fada, que a perdera por aqueles caminhos. Era a Pedra da Felicidade: possuía o poder de transformar desejos em realidade.

A fada, então, apareceu ao moço em sonho e disse a ele que a pedra tinha poderes para atender três pedidos: um bem material, uma alegria e uma caridade. Mas esses benefícios somente poderiam ser utilizados em favor de outras pessoas. O moço não gostou de saber que os poderes da pedra somente poderiam ser revertidos em proveito dos outros. Tentou pedir alguma coisa para si, apertando a pedra entre as mãos, sem êxito.

Os anos se passaram e este moço tornou-se bem velhinho. Certo dia, rememorando seu passado, concluiu que tinha levado uma vida infeliz, com muitas dificuldades, privações e dissabores. Arrumando algumas gavetas, encontrou a pedra que guardara consigo durante quase toda sua existência. Lembrou-se do sonho e dos prováveis poderes da pedra. Decidiu usá-la, mesmo sendo em proveito dos outros.

Assim, realizou o desejo de uma jovem, disponibilizando a ela um bem material. Proporcionou uma grande alegria a uma mãe, revelando o paradeiro de uma filha há anos desaparecida e, por último, diante de um doente, condoeu-se de suas feridas, ofertando-lhe a cura.

Ao realizar o terceiro benefício, aconteceu o inesperado: a pedra transformou-se em uma nuvem de fumaça e, em meio a esta nuvem, a fada, vista no sonho que tivera logo ao achar a pedra, surgiu, dizendo: "Usaste a Pedra da Felicidade. Agora que fizeste o bem para os outros, mereces ter atendido um desejo teu: o que me pedires, para ti, eu farei."

Faça bem feito e o resultado virá!

Tudo aquilo que é feito com exclusivismo ou com amor exagerado aos próprios interesses a despeito dos de outrem tem acometido o pecado do egoísmo. E se o sucesso não tem lá uma receita pronta, o insucesso tem um ingrediente infalível: o egoísmo.

Não há casamento, carreira profissional, amizade ou qualquer outra relação humana que se prospere quando existe egoísmo.

Na metáfora acima, o homem, não querendo conceder a felicidade aos outros, perdeu a possibilidade de ter sua própria felicidade. Não dá para ser feliz sozinho, não existe empreendimento de sucesso sem que todas as partes estejam ganhando.

Mas não se iluda: somente o altruísmo também não leva ao sucesso. É necessário equilíbrio: busque seus ideais, traçando conquistas que favoreçam seu entorno. Primeiro sua família, depois seus amigos, sua equipe de trabalho, seu bairro, sua cidade, seu país... e, por que não, o mundo?

Então, em cada decisão que precisar tomar, em cada ação que fizer, mentalize: Quais serão as consequências disso? Quem será beneficiado com isso? Alguém será prejudicado?

Refletir sobre as consequências de suas ações antes de agir evita aborrecimentos.

Beijos cheio de atitude, abraços transformadores.

Marcio Zeppelini



Nem o egoísmo nem o altruísmo.
Só o equilíbrio leva ao sucesso.

Marcio Zeppelini